terça-feira, 24 de abril de 2012

Mãe: a super-mulher capaz de autênticos milagres

Postado por Nany às 4/24/2012 04:09:00 da tarde
Vi a imagem aqui http://mumstheboss.blogspot.pt/
Que a maternidade não é igual para todos, isso todas sabemos. Que cada um a viva à sua maneira não é mistério para ninguém.
Sinceramente não considero que exista a mãe perfeita ou o filho perfeito (apesar de achar que os meus o são). Irrita-me, solenemente, que a sociedade exiga tal papel às mulheres, que também têm de ser exímias cozinheiras, excelentes donas de casas e profissionais de se lhes tirar o chapéu. Principalmente quando a sociedade em questão são familiares que já passaram pelas mesmas situações, mas que agora dão palpites como se para eles nunca tivesses existido problemas, dias complicados, dúvidas. Ou que digam que eles sim, coitados, sofreram a bom sofrer e que nós, as felizardas do momento, nem sabemos a sorte que temos, que a vida nos é tão facilitada e que somos umas complicadinhas.
Pessoalmente, acho piada que me digam que tenho tudo organizado/desorganizado consoante a pessoa que dá o palpite. Pessoas que: ou já se esqueceram, ou não têm noção, ou gostam de fazer os outros de parvos, ou gostam de bater no ceguinho. A sério, ou pensam que os outros são parvos, ou que nos fazemo ninho atrás da orelha, ou ainda (e pior) vivem de comparações em que os outros estão sempre pior. Mas, apesar do caos ou da organização, do cansaço, do pensar em quando posso voltar á minha caminha, ou sentar-me no sofá, cada vez que oiço Mamaeeee e tenho uma macaquita agarrada a mim tipo lapa (imaginem os macaquitos bebés agarrados às mães e assim está minha filhota agarrada a mim); ou que tenho um Mammyyyyyyyyyyy a dar-me abraços e beijos nem me lembro de tais pessoas.
A imagem ilustra bem, e em cada uma tenho uma pessoa certa a colocar na legenda, não exactamente a que lá está, em legendas minhas temos, da esquerda para a direita:
Imagem 1 - Aquilo que eu penso que faço
Imagem 2 - Aquilo que eu não me importava nada de fazer a tempo inteiro (ai que nunca mais ganho o euromilhões)
Imagem 3 - Aquilo que o marido, a mãe, a sogra e afins pensam que faço
Imagem 4 - O ar que faço quando se põem com palpites e comparações
Imagem 5 - Euzinha, mas sem ser ao computador, é mais em versão dona de casa
Imagem 6 - Aquilo que o marido, a mãe, a sogra e afins  pensam que faço (confesso, não me importava nada de fazer uma sesta).
Importam-se de não rotularem as mães e de deixarem de pensar que somos super-mulheres capazes de autênticos milagres? (eu incluída, que sofre do síndrome de ouvir em demasia e de sofrer em demasia com os palpites)
Importam-se de deixar de andar com comparações parvas daquilo que era à trinta ou quarenta anos atrás?
Importam-se de ter noção da realidade?
Importam-se de ajudar naquilo em que realmente precisamos de ajuda e não apenas naquilo que vos dá mais jeito e quando dá mais jeito?
Importam-se? É que se importam abstenham-se de comentários.

5 comentários:

Maggie on terça-feira, 24 de abril de 2012 às 16:27:00 WEST disse...

ai Nany hoje tão deprimida e ainda me deixaste pior com o teu post.
Tens toda a razão sim senhora, pensam que não fazemos nenhum.

Maggie

Mamã de Salto Alto on terça-feira, 24 de abril de 2012 às 17:45:00 WEST disse...

É verdade sim Srª.As pessoas são muito injustas.Nem imaginam o que muitas mulheres passam,para terem tudo mais ou menos organizado.Eu já me deixei disso.Está,está.Não está,não está.E quero cá bem saber com o que dizem ou deixem de dizer.É para o lado que durmo melhor.E se há 30 anos era pior,hoje tbm não é fácil,pq a maioria dos mulheres,trabalha fora e dentro de casa.Enfim,mentalidade parva,que continua a massacrar as mulheres.

Mamã Petra on quarta-feira, 25 de abril de 2012 às 10:44:00 WEST disse...

Felizmente que por aqui não sofro muito disso, já que normalmente quem ficava em casa a tratar dos miudos doentes era o marido e era ele que ia ás compras e fazia várias tarefas, pois o meu trabalho exigia muito de mim, desde que estou de baixa faço tudo, mas ele sabe dar o valor, vou voltar a trabalhar e até já estou doente só de pensar.
Não ligues, segue o conselho da Mama de Salto Alto.

Beijinhos

Pérola on quarta-feira, 25 de abril de 2012 às 11:02:00 WEST disse...

Pedes muito, querida Nnny. faças o que fizeres, serás sempre julgada, duma forma ou doutra. Não há volta a dar.
Só podes controlar a maneira como vês a questão, a tua postura.
O julgamento e o dar palpites estão muito enraízados na nossa cultura.
Nós é que podemos ouvir, sorrir e seguir com a nossa vidinha, como se dum zumbido de mosca se tratasse. não vale a pena, a sério. Só tempo desperdiçado.

Vive e sê feliz, deixa os outros a conversar sózinhos, mesmo que de íntimos se tratem.

Rainha on quinta-feira, 26 de abril de 2012 às 11:35:00 WEST disse...

Estou com a Pérola. Julgamentos vai haver sempre nós é que não podemos ligar. Fazemos o nosso melhor. Mais que isso só as super mulheres. E essas não existem. São pura ficção pois acabam por falhar em alguma coisa. Como nós... Mas a imagem está muito gira.
Bjo

 

O Meu Cantinho Copyright © 2010 Designed by Ipietoon Blogger Template Sponsored by Emocutez